quinta-feira, 19 de maio de 2016

Cavalheirismo no mundo das aranhas?


Cavalheirismo no mundo das aranhas? 

É bem comum encontrarmos espécies de aranhas que praticam o canibalismo. As fêmeas, geralmente maiores que os machos, esperam pelo fim do coito, e devoram seus parceiros sem pensar duas vezes. Em locais onde há pouca disponibilidade de alimentos, até que faz sentido devorar seu parceiro que, aparentemente, torna-se inútil após a cópula. Nada mais justo, já que a fêmea precisa de nutrientes e calorias para gerar filhotes saudáveis. Mas, e os machos? Precisam mesmo morrer?  Na verdade, não. E alguns deles descobriram uma forma muito interessante de se sair bem nessa situação. De acordo com uma publicação feita na Biology Letters, no dia 17 de maio, é comum alguns machos levarem presentes para as fêmeas (insetos mortos, por exemplo) com o intuito de aumentar as chances de sobrevivência dos filhotes. Mas, com uma estratégia diferenciada, alguns machos da espécie Pisaura mirabilis, começaram a levar presentes aumentando as chances de sua própria sobrevivência! O estudo revelou que os machos que copulavam sem levar os presentes, estavam 6 vezes mais suscetíveis a serem devorados pelas fêmeas. Enquanto que entre os que presenteavam as fêmeas, apenas 1 macho virou refeição. Por isso, o estudo sugere que no caso das Pisaura mirabilis, ocorre uma tentativa desesperada de sobrevivência ao agradar fêmeas famintas e agressivas. E não exatamente um caso romântico de cavalheirismo na natureza. Além disso, se esse comportamento anda sendo selecionado, é plausível que há alguma vantagem em, ou trazer outros insetos mortos para as fêmeas, ou em deixar os machos sobreviverem. Bom, em todos os casos, só o que podemos fazer é desejar uma boa sorte para esses machos que tem um belo problema para resolver com suas fêmeas. 

Fonte: http://goo.gl/vB89dJ


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário será muito legal...meu muito obrigado!! Volte Sempre!!!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.